quinta-feira, 7 de junho de 2018

O Pedrinho

olá meu nome é pedrinho, hoje tenho 19 anos e vou contar o que começou a acontecer quando eu tinha 12 anos. o conto é longo mas é real. moro desde que nasci em uma pequena cidade do interior de santa catarina, colonizada por alemães, grande parte dos moradores é loiro de olhos cabelos e pele muito clara. eu sou assim. na minha rua tinha vários amigos da minha idade e costumávamos brincar muito de jogar bola, pique-esconde, em fim de todas essas brincadeiras de criança, eu tinha 2 amigos que estavamos sempre juntos, o paulo e o felipe ambos com 12 também, os dois assim como eu loiros de pele muito clara. o felipe tinha uma irmã de 10 anos que as vezes deixavamos brincar conosco, mas nem sempre pois nos achavamos mais "adultos" que ela. um dia estava chovendo e estavamos na minha casa os 3, no computador, jogando joguinhos e lá pelas tantas enjoamos de jogar e ficamos navegando, de repente caimos numa página de sexo e ficamos maravilhados com o que começamos a ver, nehum de nóes já tinha visto tanta putaria, e observei meus dois amigos disfarçadamente com os pintos duros, o meu também estava. aí resolvi comentar, nossa o pau desses caras são enormes não acham? eles imediatamente concordaram, o paulo falou nossa 3 vezes o tamanho do meu, o felipe disse ha... o meu é metade do deles, e eu concordei com o felipe dizendo que achava que o meu também dava metade do deles e não 1/3, o paulo então falou ha...vcs não tão querendo dizer que o meu é o menor de nós 3 né? e então resolvemos que iriamos medir os 3, trancamos a porta do quarto e logo os 3 baixamos as bermudas, nossa não sei o que me deu, mas me deu um arrepio naquela hora ver nós 3 ali com as bermudas arriadas de pau duro um na frente do outro, passado o susto inicial, disse tirando completamente a bermuda, vou pegar uma régua, eu medi o meu 13 cm, o felipe mediu 13 cm e o paulo mediu 12cm, nossa foi uma gargalhada, mas o paulo falou é só 1cm menor, nem tão menor assim, e concordamos, o mais grosso era o do felipe o meu e o do paulo eram iguais em grossura. agora estávamos os 3 sem bermudas e falei tá e agora, to doido de tesão, vamos bater uma punheta juntos? eles concordaram. peguei no banheiro (meu quarto é suite) papel higienico para aparar a porra e sentamos os 3 na frente do computador vendo fotos de putaria e acabamos em segundos gozando os 3, fiquei vendo a porra sair do pau deles e fiquei doido de tesão, meu pau não amolecia, nem o deles. viciamos nisto, sempre que estavamos juntos e dava uma oportunidade repetimos a dose. até que um dia conversando sobre nossas punhetas coletivas, o paulo falou, tá ficando sem graça isso né? e concordamos, e ele falou e se invéz de cada um bater em si mesmo a gente batesse um para o outro? eu e o felipe nos olhamos meio assustados mas logo falamos praticamtne juntos, será que é melhor? em segundos estavamos os 3 sem bermudas, nos ageitamos um sentado do lado do outro na cama e agarramos o pinto um do outro, eu peguei o do paulo, o paulo o do felipe, mas o felipe não alcançava o meu, então mudamos as posições sentamos na cama em posição que o felipe ficou na nossa frente aí conseguimos. :tocar no pau de outro menino fez meu pinto quase estourar de tesão e senti neles a mesma coisa, a nossa cumplicidade era total, logo começamos a punhetar, e só se ouviam gemidos e coisas como ai, é bom demais, ui que delicia, e logo os gemidos mais fortes e nossas mãos todas lambusadas de porra um do outro. a partir deste dia ficamos sempre fazendo assim at´q eue novamente o paulo disse um dia, a gente podia variar mais né? e eu e o felipe novamente nos olhamos e perguntei, como? ele falou, somos 3 amigos de verdade, nunca ningue´m vai saber disso então como já vi que vcs olham pra minha bunda assim como olho pra de vcs, a gente podia sarrar nelas, sem meter, um na do outro, não rpecisou nem falar mais nada logo eu estava debruçado na cama com as pernas pra fora da cama e a bundinha empinada e o paulo veio colocando o pinto entre minhas nadegas e começou a ralar, eu rebolava pra ajudar ele, o felipe batendo punheta e olhando, o pau do paulo deslisava no meu rego e ele fazia pressão me dando mto tesão, ele falava, nossa que bundinha deliciosa. logo encheu minhas nadegas de porra, me limpei e foi minha vez, peguei o felipe, que era o que eu achava o mais bonitinho e com uma bundinha de menina, sempre olhava pra bunda dele quando estavamos pelados, redondinha, lisinha, pelo nenhum (aliás nos 3 não tínhamos nenhum pelo) bem branquinha, ele ali debruçado na cama abri sua bundinha vi seu curinho rosado e encostei o pau nele e comecei a ralar na bundinha dele, logo gozei como louco , depois foi a vez dele que pegou o paulo. novamente ficamos um tempo fazendo a nova aventura, até que um dia eu disse, eu quero meter não aguento mais de vontade de sentir meu pau numa bunda ou buceta. neste dia nóes 3 sozinhos em casa renovamos nosso juramento de jamais falar para alguém o que se passava ali em nossas tardes, e fui para a cozinha, peguei o pote de margarina e disse para eles, vi isso num filminho na net, ajuda muito . e fomos, fui o primeiro a enrabar, o felipe de 4 na cama eu em pé atras dele lambusei o cu dele de margarina e meu pau e logo fui metendo ele reclamou que doia, tentei de novo coloquei mais margarina e meti um dedo no cu dele levando a margarina lá pra dentro, ele disse....ui... é bom eu logo encaixei meu pau no cuzinho dele, aquela bundinha branca e gostosinha ali na minha frente e meti, entrou a cabecinha, e logo deslisou pra dentro ele gemeu alto, aaaaaaiii porra dói.... eu perguntei tiro? ele...não vai logo goza logo... passei a bombar, eu estava finalmente comendo alguém... era gostoso de mais e passei a dizer bobagens tipo...que bundinha gostosa, que delicia parece uma menininha levando no cu, mexe, rebola no meu pau gostosinho... e logo enchi o cu dele de porra. depois foi minha vez de levar no cu e foi o paulo que meteu, nossa, que sensação, não doeu nada, entrou até com facilidade causando até estranheza neles, que perguntaram se eu já tinha dado o cú, e falei,;... porra, claro que não é que o do paulo é o menor..... eles riram... depois o paulo levou no rabo do felipe. estávamos felizes e radiantes, apesr de termos levado no cú, nos sentiamos machos por termos comido alguém... era uma sensação esquisita, principalmente porque depois desta primeira vez, conversando vimos que os 3 tinhamos gostado de levar no cu também, era melhor meter, mas levar um pauzinho no cú também tinha seu valor. ficamos nos comento por uns 3 meses assim, duas 3 vezes por semana faziamos nossas orgias...até que chegou um dia que não resisti e disse para eles que eu queria chupar o pau deles, como nos filmes que víamos, não deu outra, logo eles estavam com os 2 paus junto do meu rosto e passamos a nos chupar também, no início sem gozar mas depois de algumas vezes deixavamos o outro gozar na boca também.a primeira vez foi o paulo que gozou na minha boca, não falei nada só ele quando estava prestes a gozar como sempre falou, vou gozar e tentou tirar da minha boca, mas eu segurei ele com uma mão por trás na sua bunda(eu estava ajoelhado mamando) e com a outra agarrado no pau, e ele encheu minha boda de porra, engoli quase tudo, eles ficaram atônitos e o felipe disse, ele gozou na tua boca!!!! é bom? eu falei uma delícia, e logo virou rotina tbem. um certo dia estavamos na casa do felipe, e sabiamos que seus pais iriam sair para ir no shopping em uma cidade vizinha, e sua irmã sempre vai junto com eles (aquela que falei que tem 10 anos) mas neste dia ela queiz ficar para brincar conosco, o felipe ficou louco, iria estragar toda nossa brincadeira, mas não teve geito, ficou conosco e sua mãe ainda falou (isso eram 2 da tarde) ela fica contigo sim felipe e tu toma conta dela pque eu e seu pai vamos lá vamos no cinema num filme que ela não entra e depois ainda vamos jantar, vamos chegar só lá pelas 11 da noite. ficamos aborrecidos mas era o geito, teriamos que guardar nosso tesão para outro dia. ficamos vendo tv, no computador, até que lá pelas 4 da tarde tive uma idéia. chamei os dois longe dela, e falei, nunca vimos uma buceta né? estamos louco para ver, e se a gente falasse com a aninha e prometese que ela poderia brincar sempre com a gente se a gente ensinasse um monte de coisas de adulto para ela? (criança ama aprender coisas de adulto, essa era a minha tática para ela topar) mas meu medo era a reação do felipe, ele ficou pensativo e falou, tá mas deixa que eu falocom ela para tentar convence-la. o felipe chamou ela no quarto e ficou sozinho com ela, levou uns 30 minutos eu e o paulo estávamos loucos de medo que desse merda pela demora mas aí o felipe abriu a porta, e falou podem entrar. ele falou que ela so faria se visse a gente fazendo pra ver se era verdade. ficamos pelados e ela arregalou os olhos com cara de quem não acreditava, nós 3 de pau duro na frente dela e logo começamos a punhetar um o outro, um chupou o outro, o felipe foi e pegou a margarina, nossa companheira inseparável e falou para mim, deita, em minutos tava me enrabando sob o olhar atônito da aninha, não gozou tirou e fizemos os 3 para ela ver, aí o felipe falou, viu maninha como a gente faz mesmo? aí ela falou pela primeira vez, vi sim.... isso é bom? e os 3 respondemos siiimmmmm... e o felipe disse para ela pode tirar a roupa agora aninha... ela timidamente começou a tirar e o felipe foi e tirou o resto. agora eramos nós 3 que estavamos boquiabertos, a aninha peladinha no meio do quarto, loirinha de cabelos encaracolados, pele que era uma folha de papel de tão branquinha, ali pela primeira vez nós tínhamos uma mulherzinha a nossa disposição.coxinhas grossas, bundinha empinadinha, bucetinha sem pelos fechadinha inchadinha, linda de morrer, logo o felipe disse, vem e bate punheta pra nós, ela começou. pegou o do felipe e o do paulo eles foram mostrando para ela como fazer e eu fui para trás dela e comecei a passar a mão na bundinha dela, ela estava de pé, fiz ela abrir mais as pernas me dando acesso total a sua bundinha e buceta, passei a toca-la, e brincar com seu cuzinho, ela suspirava, sentei no chão ficando com a bundinha dela bem na frente do meu rosto, e passei a brincar com a bucetinha dela, aí ela se arrepiou toda, ela estava meio molhadinha, eu deslisava o dedo por toda a bucetinha dela, ela se retorcia e os garotos logo encheram a mãozinha dela de porra. eu já tava quase enfiando o dedo na bucetinha e no cuzinho dela, aí disse quero que tu me chupes aninha, e ela disse não sei fazer isso, eu disse, passando a me deitar na cama, vem aqui e chupa que nem picolé, ela veio e passou a chupar, nossa que delícia. logo estavam os dois grudados na bunda da aninha que estava deitada de barriga pra baixo chupando meu pau, eles lambiam a buceta dela, o cu, vi que ela gostava, pois chupava e gemia muito, logo o felipe disse, é minha irmã e serei o primeiro, passou margarina no cuzinho dela e com ela ainda deitada só arrebitou a bundinha dela e começou a meter, ela parou de chupar e começou a reclamar da dor, ele foi com calma e logo tava todo atolado no cuzinho dela, eu gozei na boquinha dela, ela fez carinha de nojo, engoliu um pouco e cuspio o resto, saí da posição e fiquei olhando o flavio enrabar ela, logo tive uma idéia, o paulo veio para o meu lugar, ela o chupando e fui para trás do felipe que enrabava a aninha, passsei margarina no meu pau e encaixei no felipe forcei um pouco e tava dentro, ele parou de bombar a aninha que gemia muito alto dizendo que tava bom mas doía, e aproveitei para encaixar bem direitinho aí passei a bombar ele, estávamos num trenzinho maravilhoso, até que gozamos todos quase juntos, foi de mais. depois todos comemos a aninha no cu, e chupamos a bucetinha dela. queríamos comer a bucetinha também, mas deixamos para outro dia porque ela tava toda arrebentada. uma semana depois tiramos o cabacinho dela, neste dia ela quase desmaiou, trepamos uma tarde toda com ela, foi o flávio que tirou sangrou muito, ela estava com as pernas escancaradas, posição de franco assado, eu segurando uma perna e o paulo a outra, quríamos assistir aquilo bem de perto ele começou a meter e ela a reclamar, a bucetinha lisinha e branquinha estava se abrindo e quando travou no cabaço o flávio falou ...guenta aí maninha, e deitou o corpo em cima dela cravando até o talo, entrou tudo pois tínhamos chupado muito ela antes os 3, tava toda babada de nossa saliva, ela chorou por uns 5 minutos mas depois começou a gemer, tava começando a gostar, logo que o flávio gozou fui eu, o flávio veio para o meu lugar, nossa que sensação meter numa bucetinha, entrou tudo, bombei e em pouquíssimos minutos gozei e veio o paulo, a buceta dela era um poço de porra, o pau do paulo além de ser menor, pegou ela lotada de porra na buceta, entrou fácil fácil, aí ela já gemia só de prazer. depois comemos mais 1x cada um ela durante a tarde. somos amigos até hoje, inseparáveis. já tivemos namoradas e aninha hoje com 17 também, mas embora com menos freqüência, ainda fazemos nossas surubas. nunca nenhum de nós 3 deu para outro homen, isto é só entre nós, mas apesar de adorar uma buceta e peitinhos, não consigo ficar sem de vez em quando levar uma rola no cu, chupar um pau, e para minha sorte, paulo e felipe idem. a aninha virou uma putinha exemplar. é uma santinha para os pais, já namorou e transou com dois namoradinhos que sabemos, mas segundo ela com eles se faz de santinha, mas conosco, nossa, até dupla penetração fazemos nela desde os 12 anos dela (antes ela não agüentava). não sei até quando vamos conseguir ficar com esta cumplicidade e união, mas o que tenho a dizer é que sou realizado sexualmente de todas as formas.

Dois Punheteiros


quinta-feira, 10 de maio de 2018

Flagra do meu primo com meu irmãozinho


O dia estava muito quente,aqui chove,mas depois vem aquele valor,mas logo no meu dia folga da faculdade,uma piscina de casa me esperando,com picanha e coxão mole, carvão,churrasqueira,um bom som e refrigerantes que não bebo

Eu tinha terminado de trazer meu primor juntamente com meu pai do Aeroporto Pinto Martins,vindo de ponta Negra Rio Grande Do Norte,
Meu pai está separado da minha mãe,mas mantém um bom e vínculo familiar.
Ai papai nos deixou voltando para trabalho dizendo que  chegaria somente amanhã e ficaríamos os três sozinhos na casa e por eu ser mais velho me recomendou atenção total.
Ao chegar mostrei o seu quarto
E comecei a preparar um churrasco para comemorar o início das férias. Enquanto limpava a piscina e preparava o almoço, meu irmãozinho Joãozinho brincava com seu priminjo vizitanta na praia.
Morávamos no Porto das Dunas,onde temos um grande visão do mar
Quando deu por volta das 14:00 horas.
Eu avistei os dois voltando do banho de praia.
Estavam visivelmente cansados ,cobertos por areia que mais pareciam um empanado.
- Oba vamos para piscina
Mas falei que eles fossem tomar banho no chuveirão antes de caírem na piscina, tinha tido um trabalho para limpar aspirar a piscina
E não queria que eles sujassem a piscina novamente.
Alguns minutos se passaram e eu estranhei que eles não tinham retornado do banho.
O que será que esses moleques estão aprontando ?
Depois de tanto tempo deveriam estar gastando muita água e naquele verão todo talvez acabássemos ficando sem água da cisterna,já hoje era dia de reparo na tubulação da Cagece
Procurei ir sorrateiramente até o chuveirão para dar um susto nos dois moleques.
O chuveiro da piscina com o banheiro ficava em local mais afastado para que as pessoas tivessem mais privacidade na hora de tomar seu banho e também fazer usas necessidades,
Eu precisei dar a volta pelo outro lado da casa para que eles não me vissem chegando pelo caminho.
Ao me aproximar do chuveirão logo ouvi o barulho da água, realmente os meninos estavam gastando água à toa.
Porém outro barulho me fez parar, ouvi gemidos de prazer vindo de onde eles estavam.
Aquilo me deixou abismado, afinal o que aqueles moleques estavam fazendo?
Andando na ponta do pé me aproximei até a parede que levava para o chuveirão de uma forma que eles não pudessem me ver quando chegasse.
Coloquei a cabeça para ver o que era aquele gemido quando me deparei com uma cena que jamais podia imaginar.
- Vai pega na minha rola mais forte
Dizia meu primo
- To pegando disse meu irmãozinho
- Vamos rápido antes que seu irmão sinta nossa falta.
Dizia meu priminho esperto e ciente que eu não estava sabendo de nada kkkkkk
Os dois moleques estavam abraçados completamente nus. Esfregavam suas rolas um no outro e batendo Punheta  um para outro loucamente.
Ver meu irmãozinho naquela situação com outro menino devia ter mexido comigo, mas um sentimento louco que há muito não desfrutava veio a tona e ao invés disso fiquei parado observando até onde ia aquela putaria entre aqueles dois meninos.
De costa para mim estava o, meu priminho Ele era um palmo menor que meu irmãozinho, tinha uma pele branquinha, mas que depois de algumas horas de sol já tinha pegado um bronzeado avermelhado que desenhava uma marca de sunga ao perfil do seu  bumbum.
Ele segurava com as mãozinhas a bunda do Joãozinho
E este por sua vez fazia o mesmo com seu priminho.
Percebi que meu irmãozinho enfiava de leve um dos dedos no cuzinho do Joaozinho, retirando ainda mais gemidos gostosos de prazer.
Confesso que nunca me imaginei com algum menino, nunca tive esses desejos loucos, mas aquela imagem estava me deixando excitado, fazia tempo que eu não fodia um buceta e estava subindo pelas paredes.
Não sei o que me deu, mas enquanto via os dois, coloquei meu pau para fora pelo canto da sunga e comecei a me masturbar olhando aqueles dois safadinhos.
Pensei em pegar os dois de surpresa e talvez participar da brincadeira, porém não tive coragem.
Pensei em gozar ali mesmo, mas tinha medo deles me pegarem de surpresa.
Enfim, sem saber direito o que fazer decidi deixa-los curtindo aquela sacanagem por mais um tempo e voltei para a churrasqueira.
Coloquei um bom pedaço de picanha na brasa, mas não saía da minha cabeça aqueles meninos.
Fiquei imaginando como seria o pau deles duros.
A do Meu irmãozinho eu já estava cansado de ver aquele piru, mas estava sempre mole, ou quando ele tomava banho ou quando ficava pelado dentro de casa, como não tinha mulher morando ali ,somente eu e nosso pai ,o moleque ficar como quisesse, contudo, nunca vi duro e não sabia o que esperar.
Meu Priminho  piorou, eu nunca tinha visto pelado e nem tão pouco seu piruzinho.
Tentei remover aqueles pensamentos da cabeça, mas não conseguia.
Não era justo eles ficarem lá compartilhando tanto prazer e eu na mão.
 Então resolvi parar tudo e gritei bem alto chamando os dois para comer.
Não demorou nada e vi os dois guris saindo de trás do chuveirão, mal tinham levantado suas sungas e percebi que eles tentaram disfarçar a ereção caindo direto na água.
Eu era macaco velho e sabia muito bem das manhas dele.
Depois de um tempo eles saíram da água, em um silencio constrangedor. Se eu não tivesse visto a putaria dos dois teria desconfiado que algo estava errado.
Procurei não tocar no assunto e puxei conversa com eles.
Coisas banais de garotos.
Peguei um Redbull gelado
E comecei a beber.
Depois de umas quatro horas da tarde minha mente já não pensava em mais nada a não ser a cena que tinha visto.
Mesmo de cueca eu só os via peladinhos.
Pulei na água para esfriar a cabeça, afinal era meu irmão  e meu primo, dois novinhos que estavam na fase da adolescência de descobertas.
Me lembrei do passado quando eu e o irmão dele mais  velho que não veio do Joaozinho também tivemos nossos momentos e percebi que era normal.
Aos poucos fui me acalmando.
Foi quando os dois pularam na piscina.
Comecei a brincar com os dois.
Meu irmão desde pequeno gostava quando eu levantava ele na piscina e jogava para o alto.
Mesmo já não sendo tão criança assim ele ainda gostava dessa brincadeira.
Como eu malhava bastante e tinha um corpo sarado conseguia jogá-lo bem alto.
Fiz algumas vezes com ele, até que ele disse:
– Vai Manow faz com o Joãozinho
Posicionei o moleque de frente para mim, segurei ele pela cintura e mergulhei para pegar impulso. Naquele momento, de baixo da água eu me vi de frente para a sunga do primo.
Notei que ele usava uma sunga bem pequena, lembro que eu usava a sunga assim usava aquela sunga quando tinha cerca de doze anos, ou seja, estava atochada naquele moleque.
Estava tao apertada que dava para ver o volume completo do piru dele.
Em questões de segundos comecei a ficar excitado e fui testar para ver até onde ia.
Levantei sem jogar o garoto e falei:
– Não dá  ele não sabe direito. Vou jogar ele de frente para ele pegar o jeito.
Os dois garotos concordaram.
Dessa vez eu me posicionei atrás do garoto, segurei novamente a cintura, dessa vez um pouco mais para trás, encaixando a bunda dele na minha mão aberta. Com força joguei ele bem alto.
Ouvi vários sorrisinhos de alegria e ele voltou para mim para que eu o jogasse novamente.
Coloquei ele na mesma posição e dessa vez tratei de tocar a frente da sunga dele com o dedo, alisando o pinto macio por cima da sunga.
O JoazJoãoz não esboçou nenhuma reação e novamente eu o joguei.
Mais uma vez ele voltou pra mim e eu fui mais além.
Com meu coração acelerado e com o drenalina na cabeça tirando minha inibição, dei uma apertada na piroca do menino. Sem se virar ele esboçou um sorriso, como se estivesse entendendo o que começava a acontecer.
Joguei novamente e ele novamente voltou para mim. Dessa vez segurei com a mão inteira aquele caralho pela sunga e para minha surpresa peguei em algo grande e duro. Parecei como seu eu segurasse meu próprio pau, fiquei surpreso pois não imaginava um garoto daquele com um pau tao grande assim. Enquanto fingia posicioná-lo da melhor forma, punhetava ele por cima da sunga.
Mais uma vez eu joguei e ele retornou.
 Dessa vez eu me posicionei bem atrás dele com a desculpa de me apoiar para jogá-lo, mas ao invés disso eu pressionava meu caralho duro no cuzinho dele. Dei uma incoxada gostosa e mergulhei, naquele instante eu passei a jogá-lo enfiando meu dedo no cuzi
Tudo por cima da sunga, mas atochava ainda mais aquela sunga no cuzinho dele.
Dessa vez quando ele voltou eu falei:
– Acho que agora ele já pegou o jeito Joaozinho, vou jogá-lo de costas.
Quando ele voltou eu o virei, me deparei com o rosto rosado e respiração pesada, visivelmente excitado.
Esperava que o Jaozinho não estivesse percebendo nada, de qualquer forma eu não me controlava mais.
Segurei ele de frente para mim e mergulhei, com uma das mãos enfiei dentro da sunga do priminho e puxei o pau dele para fora, era realmente grande como eu suspeitava.
Mesmo debaixo da água eu peguei aquele mastro de homem em um corpo de garoto.
Não demorei muito pois meu irmão podia suspeitar, mas suficiente para meu priminho tremer o corpo.
Coloquei o pau novamente na sunga e o joguei bem alto.
– Agora sou eu manow. – ouvi meu irmãozinho falando
–  já jogou o Joãozinho demais.
Para que meu irmãozinho não suspeitasse nada procurei joga-lo também.
 Com ele eu não tentei nada, mas sempre que o jogava alto e olhava para o Joãozinho via o me menino me olhando com um olho de alguém que está faminto. Percebi que tinha despertado no guri um desejo adormecido.
Depois de jogar meu irmão algumas vezes eu disse que estava cansado. Realmente estava, mas queria sair e ir para o banheiro me aliviar.
Sai da piscina pouco tempo depois e distraído na arrumação das coisas e preparo do jantar acabei deixando para lá a vontade de me aliviar na punheta.
Quando me dei conta já era noite.
Os meninos comeram e o meu irmão logo foi se deitar, deixando seu primo na sala assistindo Netflix.
Eu fiquei do lado de fora e depois de jantar fui tomar uma saideira.
Sentei na beirada da piscina e coloquei uma música para tocar. Como estava sozinho e já era noite, fiquei ali mesmo só de sunga curtindo o vento que vinha do mar.
Sem que eu percebesse avistei o Joãozinho me observando.
– O que foi João? Não consegue dormir?
Ele acenou com a cabeça afirmativamente e continuou parado igual a uma estátua.
De longe eu percebi como ele era lindo.
Estava ali apenas com a parte de baixo de shortinho e o peito lisinho descoberto, tinha os cabelos na altura dos ombros, bem parecido com meu irmao, apesar disso tinha herdado a cor da minha tia gostosa a mãe dele.
Ele me olhava e eu naquele instante retribui com um sorriso.
– Vem cá primo, senta aqui comigo Disse eu apontando a beirada da piscina.
Ele obedeceu e sentou-se bem junto de mim, tão perto que eu podia sentir sua pele quente de encontro com a minha.
Estávamos sem conseguir falar e para quebrar o gelo,a minha cadeira ao lado dava para eu estender as mãos tocar nas águas da piscina,
Eu joguei um pouco de água nele.
Eu não mirei direito e acabei molhando seu shortinho.
Ele me olhou com uma cara de brabo,mas sorrindo.
– Poxa , eu só tenho esse short fininho para dormir,porque o tecido é levinho para dormi,
– Esquenta não João, pode ficar de cueca ou pelado se quiser.
Ele me olhou com uma cara de dúvida e eu o molhei de novo.
Dessa vez ele sorriu e retribuiu,se inclinando para agua me molhando também.
– Vai tira esse short molhado que eu boto para secar.
Dissr eu com.a intensão de vê seu pau novamente
– Tá, já volto – respondeu ele se levantando.
– Tira ai mesmo rapaz.
- Ta com vergonha de seu primo
Ele parou novamente e falou:
– Não é...., estou sem cueca !
Aquilo estava deixando meu coração acelerado e meu pau saltou da minha sunga  duro imediatamente pela reação dele.
– Esquenta não, fica pelado mesmo Respondi rápido para evitar travamento.
Ele parecia em dúvida,
Eu percebendo isso falei:
– Olha, vou ficar pelado também para você não ficar com vergonha.
Levantei,seus olhares atenciosos fitados para minha sunga
E puxei minha sunga revelando meu caralho duro.
O menino não tirava o olho como se estivesse hipnotizado.
– Agora é sua vez – falei, removendo-o do transe.
Ele puxou o shortinho para baixo, deixando saltar uma rola grande e grossinha, com uns pelos cumpridos só ao redor da saída do pau. De perto dava para perceber que tinha o tamanho de um adolencente em crescimento mas o jeito e cheiro denunciava ser Novinho.
– Nossa que rolona moleque
 Falei ao ver aquela vara.
Ele sorriu e disse:
– A sua também Primo é enorme.
- Mas também tenho 17 anos e voce agora que ele fez 13 anos,completei
- A sua vai crescer muito,viu !!!
Sorrimos nos dois e eu voltei a sentar com ele do meu lado.
Visivelmente os dois estavam excitados , nossa o dele tava pulsando como um tic tac e simultaneamente a minha e o contato da pele dele comigo aliado ao vento daquela noite fresca me deixava louco.
- Voce já ficou nu assim só lado de outros meninos pelado ?
Perguntei
- Só quando vou jogar futebol na minha cidade é no vestiário trocamos de roupa,todos entre 12 a 14 anos.
- Ah sim ! Respondi
- Mas ele ficam de Pau Duro?
Perguntei para vê se ele me revelava alguma sacanagens entre seus amiguinhos
- Desse jeito não primo,mas já vi o deles duros tomando banho no boxe que pode tomar banho de 2 em 2 ,mas nem vi direito porque ficaram sem jeito é neme nem fiquei curioso para vê
Disse ele
– Então, você já deve bater muita punheta heim?
– Punheta? Os meninos mais velhos falam muito.isso,mas não entendo muito?
Eu não podia imaginar que aquele menino não sabia usar aquela ferramenta maravilhosa.
– Não sabe o que é punheta?
– Não – respondeu ele um pouco triste.
– Relaxa que eu te ensino.
- É assim ó!
Sem cerimônias eu fui e peguei naquele pau durinho,uma sensação,boa,tava quente segurei naquela vara com minha mão arrancando dele um gemidinho, suspiro de prazer.
Aos poucos fui descobrindo a cabecinha da pelinha do  pau dele,deslizando e fazendo os movimentos de vai e vem ele,na cadeira,já fazendo carinha de prazer,de tesão,mexendo as pernas.
- Isso de manipular o pau dessa forma é Punheta !
Afirmei para ele
- Eita primo é massa!! Disse-me com sorriso
E continuei  batendo uma punheta deliciosa e o menino curtia, seus olhinhos fechavam e ele estremecia o corpo todo.
Aproveitei e fiz a intensao e segurei a mão dele e coloquei para segurar meu pau.
– Vai, faz em mim para ver se você aprendeu.
No inicio ele começou sem jeito, mas depois ele mostrou que aprendia rápido e juntos começamos um,um bater Punheta para outro,nois dois de pau duro autamente exitados e troca-troca maravilhoso de mãos.
Aquela mãozinha me deixava louco e eu comecei a gemer e ele parecendo me imitar fazia o mesmo.
Minutos se passaram e eu falei.
– Agora o Priminho vai te mostrar como sai leite.
– Leite Primo? – perguntou ele parando.
- Aquilo que vai sair da entrada do seu pau
– Não para não que você vai ver.
Continuei batendo para ele e ele para mim.
– Para primo agora que eu... – disse ele
 – acho que vou mijar.
– Relaxa Joãozinho, você vai soltar leitinho também.
Acelerei o movimento também e ele também.
Por fim eu gozei muito, foram vários jatos que melaram a mão do moleque e todo meu peito.
Joãozinho também gozou, uma gala rala, meio transparente mas era gozo.
– Viu? Soltamos leite.
Ele sorriu e falou:
– Isso fui bom né.
Sorrimos também, ainda com a mão segurando o pau do outro. Aos poucos foi amolecendo, até que de repente ouvimos:
– Que porra é essa que vocês dois estão fazendo?